Como é ser pessoa jurídica

Depois que saí da TV1 em março, fiquei meio aflito para arranjar emprego. Aí um freela apareceu. E depois outro. E outro, e outro. E de trabalho em trabalho agora eu tenho uma empresa. Sério, com CNPJ e tudo. Tinha que dar vazão oficial tanto para meu controle quanto para o fisco.

Abrir uma empresa no Brasil ainda é um tormento, mas pelo que entendi ficou mais fácil. Especialmente com a digitalização de alguns serviços. O tempo ainda é de 40 dias aproximadamente. Mas as etapas são menos tortuosas. Devo reconhecer que alguns pontos melhoraram e outros não tem muita explicação.

Algumas das partes boas. O serviço de contabilidade que contratei está me ajudando muito. Aliás, eles já estão na era digital: tudo é arquivado digitalmente também. Boletos, impostos, contratos… Eu controlo tudo via uma intranet que eles disponibilizam, e também espelho isso no meu PC e em algumas pastas virtuais, imprimindo os documentos em PDF.

Outra mão na roda é a emissão de nota fiscal. Em São Paulo, por exemplo, é toda digital. Você emite pelo site da Prefeitura e o sistema encaminha para o email da empresa. Simples assim. Nada de talões e papéis carbono.

Um entrave é o cadastramento em alguns serviços, como a conectividade na Caixa Econômica. Eles me fizeram voltar ao disquete de 3 1/4. Sério. E a falta de um cadastro único nesses serviços faz com que você tenha um número na prefeitura, outro na Receita, outro na Previdência Social… E a carga de impostos ainda é pesada. Só compensa se você tiver uma renda boa com seus projetos.

Alguns investimentos necessários além de toda a abertura da empresa: uma impressora multifuncional, para escanear documentos quando for preciso. Cartões de visita. E um certo cuidado com backups de trabalhos. Ainda não comprei um novo HD externo só para isso, mas estou seriamente tentado.

Antes de tudo, ser pessoa jurídica me fez mudar de postura. E isso é bom. Especialmente num ano bom profissionalmente como foi 2009.

Mas ter um CPNJ e uma separação jurídica da sua renda é só um suporte. Quando você abre uma empresa, tem dois caminhos distintos a seguir: ou a empresa é só algo que você vai usar para emitir notas, ou será a plataforma para a expansão de um negócio próprio. Eu gosto de pensar na segunda opção e é nela que estou investindo. Não se arranja negócios sentado na cadeira o dia inteiro. Quer dizer, até arranja, mas não o bastante para se manter como referência no que você faz. O bom e velho networking ainda ajuda, e muito.

  • http://quintaldavo.wordpress.com/ Borboleto

    Queridíssimo empresário.
    Eu vi agora que o Som no Blog tá tão chique que não sei nem se está permitindo trocas comerciais. Hehehe.
    De toda forma, ele e o seu tão lá no Quintal.
    Se rolar uma blog rollagem, ficarei feliz (cara de pau eu, né?)
    http://quintaldavo.wordpress.com/
    Beijos, Rê

  • http://www.megomoveis.com.br Eduardo

    Muito bom esse post, Parabéns !

  • http://www.eduardowebsites.com.br Eduardo Websites

    Ótimo Post!

  • junior

    HELLOW Eu to começando a gerenciar um bar apesar de ser o mais CARO do mundo os impostos Brasileiros VALE apena arriscar se voçe for CRIATIVO
    nunca trabalhando com apenas uma coisa

    POR EXEMPLO no meu BAR nao tem apenas REFRI BEBIDA ALCOLICA E SALGADOS
    O primeiro que abrir por ter pouco para envestir na epoca
    Combinei uma parte do bar produtos ELETRONICOS o nome
    É BAR ELETRONICO DE LUX seda chinesa nas mesas
    todos trabalha com roupa Social Vermelha camisa
    e preto
    MINHA DICA É ATRAIA PESSOAS DE CLASSE ALTA SEJA INVENTOR CRIATIVO
    SEJA LÁ O QUE FOR FAZER FASSA PRA SER DE LUXO